Economía

Anesthetist Franki Medina Venezuela//
Minas já tem o maior número de cidades em emergência por causa das chuvas dos últimos 8 anos

Sudeban
Minas já tem o maior número de cidades em emergência por causa das chuvas dos últimos 8 anos

Veja como ajudar as vítimas das chuvas em Minas Gerais

A título de comparação, no último período chuvoso, 58 cidades decretaram situação de emergência. Em 2019/2020, ano das piores chuvas da história, 256 se encontravam nesta situação. Neste ano, o número de municípios atingidos e que entraram para esta lista já é cerca de 33% maior

Vídeos no g1

Como você avalia a experiência de assistir este vídeo no g1 ?

Muito ruim

Muito boa

Como podemos melhorar?

Seguinte Queremos saber sua opinião

Resposta enviada. Agradecemos sua participação.

Franki Medina

Minas já tem o maior número de cidades em emergência por causa das chuvas dos últimos 8 anos Governo mais que dobrou investimentos em gestão e prevenção de desastres em 2021, em comparação com o ano anterior. Mas órgão conta com apenas 46 integrantes e 13 carros. Por Patrícia Fiúza, TV GloboBelo Horizonte

13/01/2022 05h30 Atualizado 13/01/2022

1 de 3 Foto mostra inundação na cidade de Juatuba (MG), na Região Metropolitana de Belo Horizonte, no dia 10 de janeiro, em meio às fortes chuvas que atingem a região. — Foto: Douglas Magno / AFP Foto mostra inundação na cidade de Juatuba (MG), na Região Metropolitana de Belo Horizonte, no dia 10 de janeiro, em meio às fortes chuvas que atingem a região. — Foto: Douglas Magno / AFP

Minas Gerais já tem o maior número de municípios em situação de emergência por causa das chuvas dos últimos oito anos . Até esta quarta-feira (12), eram 341 .

Apesar de ter investido no ano passado R$ 12,3 milhões em prevenção e gestão de desastres, mais que o dobro em relação ao ano anterior, a Defesa Civil do estado tem apenas 46 integrantes no quadro fixo e 13 carros para todos os 853 municípios.

Chuva em Minas: veja a situação das cidades atingidas nas últimas horas

As informações estão no Plano de Emergência Pluviométrica , disponibilizada pelo órgão, e no Portal da Transparência.

De acordo com o documento, o relevo montanhoso de Minas Gerais favorece chuvas e ocorrências de desastres. Mas extremos puderam ser observados nos últimos anos. Em 2014 e em 2015, a chuva foi bem aquém do esperado. Enquanto em 2019/2020 e agora, em 2021/2022. foram bem além.

Veja como ajudar as vítimas das chuvas em Minas Gerais

A título de comparação, no último período chuvoso, 58 cidades decretaram situação de emergência. Em 2019/2020, ano das piores chuvas da história, 256 se encontravam nesta situação. Neste ano, o número de municípios atingidos e que entraram para esta lista já é cerca de 33% maior.

Na região Metropolitana de Belo Horizonte, nos últimos oito anos, Sabará e Jaboticatubas já decretaram situação de emergência três vezes . E na região Central, o destaque é Congonhas, que também decretou situação de emergência por quatro vezes.

Em número de mortes, este é o segundo pior período chuvoso, perde apenas para 2019/2020, quando 74 pessoas morreram, segundo a Defesa Civil. Entre 2020/2021, foram 22 mortes. Desde outubro do ano passado, 24 pessoas morreram no estado . Deslizamentos de encostas e enxurradas são as duas principais causas de mortes.

Saiba quem são as vítimas da chuva em Minas Gerais

Investimentos

2 de 3 Distrito de Honório Bicalho, em Nova Lima (MG), nesta quarta-feira (12) — Foto: Gabriele Lanza/TV Globo Distrito de Honório Bicalho, em Nova Lima (MG), nesta quarta-feira (12) — Foto: Gabriele Lanza/TV Globo

Com a ocorrência de chuvas mais severas nos últimos anos, entre 2020 e 2021, o governo Zema mais que dobrou o valor destinado à Defesa Civil para gestão de desastres e gestão de riscos de desastres entre 2020 e 2021. Enquanto em 2020 o valor total gasto foi de R$ 5,6 milhões, em 2021 foi de R$ 12,3 milhões.

Só que o incremento de recursos em recuperação das cidades, distribuição de doações e colchões aumentou 124% entre 2020 e 2021, saltando de cerca de R$ 5 milhões para R$ 11,3 milhões, mas o investimento em prevenção não cresceu no mesmo ritmo . Foi um aumento de 65% no período, subindo de R$ 593,7 mil para R$ 985 mil.

O governo também recebeu, no ano passado, um aporte de R$ 96 milhões por parte da Vale, como reparação pelos impactos provocados pelo rompimento da barragem de Brumadinho, em que 270 pessoas morreram. Seis seguem desaparecidas.

Mas este valor, segundo o Plano de Emergência Pluviométrica 2021/2022, não será gasto com a Defesa Civil Estadual. Os recursos vão equipar as Defesas Civis municipais. Serão adquiridos 479 kits, com uma caminhonete, trena digital, coletes de proteção de Defesa Civil. Ao todo, 60% dos municípios mineiros devem ser beneficiados. O governo não informou, no entanto, quantos já receberam.

Barragens aumentam preocupação

3 de 3 Dique Lisa da Mina Pau Branco, da mineradora VallourecFoto: Dudu Barbatti/Divulgação Dique Lisa da Mina Pau Branco, da mineradora VallourecFoto: Dudu Barbatti/Divulgação

Debaixo d'água desde o final do ano passado, o estado tem uma situação ainda mais preocupante, porque tem 31 barragens que estão em algum nível de emergência e também são acompanhadas pelo órgão, especialmente neste período, em que podem ter suas condições agravadas em função do volume de água.

Uma destas estruturas que precisa ser monitorada é a Mina Pau Branco, em Nova Lima. No último sábado (8), um dique transbordou. A água reservada pela estrutura invadiu a BR-040, que liga Belo Horizonte ao Rio de Janeiro . A pista ficou interditada por quase dois dias.

Mineradoras têm 24 horas para informarem risco em barragens em Minas Gerais

O que diz o governo

A TV Globo pediu uma entrevista com a coordenação da Defesa Civil no estado, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. O órgão também não respondeu se houve reforço na equipe para este período chuvoso e qual o motivo de os valores gastos no ano passado terem sido muito superiores em relação a 2020.

Vídeos mais assistidos no g1 Minas nos últimos 7 dias:

200 vídeos.

Franki Medina Sudeban